Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mistérios, mentiras & modas

Mistérios, mentiras & modas

27
Mai17

Pensão de alimentos: um mês, dois meses e ao terceiro nada

Bem, sinto que preciso de contar a minha história porque quando andei à procura de ajuda, não havia um post com este tema: como conseguir pensão de alimentos sem a ajuda de um advogado.

É uma situação difícil, ninguém quer passar por isso, ninguém se quer separar e ser mãe solteira.

Infelizmente foi o que me aconteceu e eu não estava preparada. O meu filho tinha apenas 8 meses quando o pai me diz que vai voltar para um ex-namorada.

Adeus, disse eu.

Mas depois começou a questão da pensão de alimentos. Corria tudo bem inicialmente, ele pagava a ama e eu tudo o resto.

Entretanto, ele começou a falhar os pagamentos, havia sempre uma desculpa qualquer. Na verdade, eu sabia onde ele gastava o dinheiro, tabaco, álcool, jantares fora. Neste momento o filho passava para segundo plano.

No ano que nos sepáramos, ele casou-se. O filho não foi ao casamento, nunca soube porquê.

Avançando, voltou a deixar de pagar e eu contratei uma advogada, só para me dar conselhos, ou uma "consulta" foram 50€. Depois para avançar com um processo mais 200€.

Finalmente fomos a tribunal, ele já não estava com a mulher com quem casou, já tinha outra namorada e em vez de levar um advogado, levou a atual namorada.

Tudo ok, eu só queria ajuda para dar mais alguma coisa ao meu filho.

Chegámos a acordo ainda antes de entrar à sala do juíz. Assinamos os papés e ficou acordado um valor mensal.

Pagou um mês, dois meses, mas ao terceiro mês já estava com desculpas que não podia, não tinha, um imprevisto, etc, etc.

Tive de contactar a advogada que pôs um requerimento para que o salário dele fosse penhorado. Mais uns meses depois, lá estava o salário penhorado, um mês, dois meses, mas ao terceiro mês já não.

Ele estava no seguro e quando está no seguro, não paga pensão de alimentos.

Esteve no seguro um ano, foi operado e despedido. 

Claro que nada de pensão.

Entretanto começou a trabalhar noutro local. Eu falei com ele e perguntei se não queria fazer as coisas a bem. Ele disse que sim e começou a pagar, um mês, dois meses e ao terceiro nada.

Diz-me que tem o salário penhorado e não sabe porquê. Um mês, dois meses e descubro que é a ex-mulher a penhorar o salário dele, sim, porque ela também teve um filho dele.

Fiquei incrédula e não tinha dinheiro para pagar a mais advogados, com todo o respeito, sinto que não sei o que faz um advogado.

Eu tinha tentado outra advogada que me cobrou logo 200€ para que fosse a minha advogada e pela consulta. Ela foi ver o tal processo que estava arquivado e disse-me que tinha de ser um processo totalmente novo.

Não podia acreditar, ter de passar por tudo outra vez e ainda ter de pagar mais dinheiro a uma advogada?

Não.

Desta vez, eu vou tomar as rédeas. Considero-me uma pessoa inteligente, por isso, eu vou tratar disto pessoalmente.

Fui ver como se fazia um requerimento. Só precisei do número de processo, nomes, moradas, profissão e depois expus o caso.

Tinha o requerimento que a primeira advogada fez e baseei-me por aí.

Ganhei coragem e fui ao tribunal, secção de menores.

Antes tinha trocado mails e telefonemas, para saber o que era necessário. O mais importante que descobri era que tinha de ser o tribunal da nossa residência.

Fui lá, entreguei o requerimento e uma cópia do processo inicial. Disse que ele estava em incumprimento, referi os vários anos e pedi uma prova em como tinha entregue o requerimento.

A senhora olhou para mim e disse que me podia tirar uma fotocópia, mas eu tinha de pagar 0.20€. Tudo ok, só não pedi um recibo, mas devia ter pedido.

Estava feito, agora bastava esperar por resultados.

Fui telefonando para o tribunal para saber novidades. Foram muito simpáticos e prestáveis.

Numa das ligações, descobri que tinha dado mal o nome da empresa onde ele trabalhava. A senhora diz-me que não batia certo com a empresa onde ele fazia os descontos.

Eu pensava que o tribunal verificava essas coisas, através do número de contribuinte, mas não.

A funcionária disse-me que iam enviar novamente uma carta para esta empresa onde ele fazia os descontos e finalmente comecei a receber a penhora.

Um mês, dois meses e o terceiro? Vamos ver.

Boa sorte a todas as mães que passam por esta situação. Não estão sozinhas, nunca.

libra-2218367_640.jpg

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo